SEJA BEM VINDO EM NOME DE JESUS.

domingo, 1 de abril de 2012

PREFIGURAÇÕES BÍBLICAS.


Você vai ser redirecionado para o novo site, em 20 segundos, “Difundindo a Palavra de Deus” na URL robertodedeus.com/

Este artigo está no link: http://robertodedeus.com/portal/?p=1088     
ou procure no site pelo mesmo titulo.


A Bíblia possui uma mensagem tão simples que pode ser resumido em alguns versículos e ao mesmo tempo um livro de tanta profundidade que se pode passar toda uma vida lendo-a sem descortinar tudo o que nela está revelado.
Podemos reconhecer os tempos e a estação que sua vinda, e em nossos dias as condições são oportunas para este evento ocorrer.
Em Isaías 46.10 está escrito que Deus declara o fim desde o princípio. Por que Deus criou o mundo em seis dias e descansou no sétimo se poderia tê-lo criado em um piscar de olhos e sem necessidade de descanso? Disseram que era para estabelecer a semana de trabalho e separar um dia para santificá-lo. Embora tenha aceitado esta explicação no passado, ao longo dos anos percebi que ela não era aceitável.
Estudei algumas palavras na Bíblia como “dia” e dias e achei algumas passagens muito interessantes relativas a isso, concluindo que Deus talvez estivesse dizendo quanto tempo o homem teria na terra.
A Bíblia é repleta de prenúncios, principalmente no Velho Testamento. Fatos históricos que também ilustram algo que irá acontecer no futuro. Por exemplo: quando Deus pede que Abraão sacrifique Isaac, seu único filho ilustra o que Deus faria sacrificando seu único Filho, Jesus pelos pecados do mundo.
Então por que Deus levaria 6 dias para criar o mundo? É uma pergunta interessante. Seria uma ilustração de algo que precisamos saber? Em 2 Pe 3.8 e o contexto se refere a 2ª vinda de Cristo, diz que um dia para o Senhor é como mil anos e mil anos como um dia, e o Salmo 90 diz que mil anos são como se fosse ontem. Então os seis dias de criação poderia representar que o tempo da vida do homem na terra seria de 6 mil anos e que o sétimo dia de descanso ilustrasse o reino milenar quando Cristo voltará para estabelecer seu reino de justiça e de paz.
Quando Deus mede o tempo Ele o faz por sétimos. Deus criou o mundo em sete dias sendo que o sétimo dia criou como dia de descanso. Na sétima semana depois da páscoa eles comemoram uma grande festa e um descanso, o sétimo mês é o mais importante é quando eles comemoram três de suas maiores festas e um descanso. A cada sete anos há um descanso para a terra e a cada 49 anos, que 7x7, eles comemoram o ano de jubileu que é o ano de descanso para a terra e de liberdade para o povo. Então faz sentido que Deus tenha estabelecido um período de sete mil anos onde os últimos mil anos seria um período de descanso quando Jesus retornaria para estabelecer seu reino na terra, Apocalipse 20.
Quando Deus lida com o tempo Ele faz por sétimos. A segunda vinda de Cristo é a data mais importante no calendário de Deus, e Ele nos deixou meios para descobrirmos quando, pelo menos no que diz respeito à época, e que corresponde justamente aos dias que vivemos hoje.
No livro de Oséias, no capítulo 6 ele fala de Israel, povo escolhido por Deus que sempre o rejeitava, a nação ia ser destruída, mas no versículo 2 está escrito:
Depois de dois dias nos dará a vida; ao terceiro dia nos ressuscitará, e viveremos diante dele.” 
O que significa isso/? Vejam! Quando Jesus veio Israel o rejeitou como seu Messias, então Ele espalhou sua nação pelo mundo todo, então por 1900 anos não houve nação de Israel mas Deus disse que depois de dois dias ou dois mil anos, lembrando que um dia para Deus é como mil anos, “eu os revigorarei e Israel viverá diante de mim. E é justamente isso que está acontecendo agora, a nação espalhada de Israel foi reunida diante de nossos olhos. Em 1948 Israel se tornou uma nação novamente. Isso é muito importante porque Deus está revigorando Israel e ele viverá diante dele porque Jesus muito em breve voltará para restabelecer o seu reino. Você por acaso já conheceu um cananeu? E um amorita? Por que eles estão incluídos entre os povos extintos? Porque eles foram inimigos de Israel e não foram preservados, os judeus foram porque são o povo escolhido de Deus e Ele deve cumprir suas promessas indivisíveis. Mas os judeus continuam rejeitando a Jesus. Mas por quanto tempo? “Depois de dois dias nos revigorará e no terceiro dia nos levantará e viveremos diante Dele” os eventos da segunda vinda estão findando e o terceiro dia breve irá raiar. O primeiro sinal será o único que presenciaremos, pois seria o arrebatamento da igreja. Há o mesmo prenuncio em Êxodo 19:11 quando Deus diz a Israel se limpar e aguardar dois dias, porque no terceiro dia o Senhor descerá a vista de toda a nação. Em João capítulo 11 conta a história de Lázaro, um judeu, amigo de Jesus. No versículo 6 conta que Jesus após tomar ciência que seu amigo estava muito doente esperou ainda por dois dias antes de ir despertá-lo. Por que? Isto ilustra como Deus estava para dar as costas a Israel durante dois mil anos ou dois dias e que Ele iria passar a tocar o mundo através da igreja na Nova Aliança. Em Mateus 17:1 Jesus leva três de seus apóstolos mais chegados e os leva para um monte, e o que acontece lá? Jesus se transforma diante deles e eles tem uma visão gloriosa Dele em sua segunda vinda. Eu deixei de lado as primeiras palavras do versículo 1 quando a Escritura diz : “seis dias depois, tomou Jesus consigo...”. Porque Deus colocou isso? Será que foi apenas para ocupar espaço ou Ele está nos mostrando algo que precisássemos saber? De Adão até Cristo passaram-se quatro mil anos ou quatro dias e o tempo de Cristo até nossos dias é de dois mil anos ou dois dias. Há exatos dois mil anos atrás Jesus já havia nascido, portanto já alcançamos os seis dias, cumpriu-se o tempo. Em 2018 Israel completará 70 anos de seu renascimento, mas em meu coração creio que o arrebatamento da igreja será antes disso. Está, portanto, muito perto o dia em que o Senhor cumprirá as promessas feitas àquela nação. Breve, muito breve haverá um tempo de julgamento nesta terra como jamais houve antes. Estes dias de horror antecederão a volta de Cristo e que a Bíblia chama de a Grande Tribulação. E adivinhe o que é? É um período de sete anos.
Deus já julgou o mundo no tempo de Noé lembram? Em Gênesis 6:11 diz que a terra estava corrompida e cheia de violência. Bem parecido com os dias de hoje, não é mesmo? Ele exterminou toda uma população e somente uns poucos escolhidos sobreviveram. Deus julgou as cidades de Sodoma e Gomorra por causa de seus pecados, do homossexualismo e das perversões lá existente. Parece com os dias de hoje? Ele arrasou com as duas cidades e somente três pessoas se salvaram e em ambos os casos os que não tinham fé foram tomados de surpresa mas os crentes não foram, eles sabiam que o julgamento estava por vir.
O fim do mundo acontece todos os dias para algumas pessoas porque elas morrem, e se a pessoas não tem uma relação pessoal com Jesus Cristo ela irá passar a eternidade no inferno.
Existem muitos nomes para as muitas religiões no mundo, mas todas elas estão em uma só categoria, cada religião, a não ser o cristianismo bíblico, ensina que as pessoas podem ser salvas pelo próprio mérito sendo boa e realizando certos rituais, mas a bíblia nos ensina que ninguém pode se tornar justo aos olhos de Deus por realizar bons hábitos, Romanos 3:20 e que todos pecamos e carecemos da Glória de Deus, Romanos 3:23. O padrão bíblico para se entrar no Reino de dos Céus é ser perfeito, totalmente sem pecado ou culpa. Quando Jesus viveu na terra Ele viveu uma vida de perfeição, Ele jamais pecou porque era Deus. Então Ele morreu na cruz para pagar por nossos pecados, ressuscitou dos mortos no terceiro dia e Deus Pai recebeu Cristo de novo. Por quê? Não foi porque Ele era um homem bom, mas porque cumpriu a exigência de ser perfeito. Portanto se Deus não abaixou o padrão para o Seu próprio Filho por que havemos de pensar que fará por nós?
Milhões de pessoas andam por ai achando que vão para o céu por levarem uma vida que pensam ser de bem e levarão um choque por que pra Deus isso não basta. Deus tem um padrão de perfeição absoluta e porque apenas Jesus é perfeito, e somente quando nos comprometemos e recebemos Jesus como nosso Senhor e acreditamos no que fez por nós na cruz é que nos livramos de nossos pecados, por isso que Ele merece todo crédito.             
O que na história da arca de Noé prefigura sobre o fim do mundo?
No capítulo 7 de Gênesis está escrito que após todos os que Deus escolheu para serem salvos terem entrado na arca, as poucas pessoas prefiguram os judeus que reconheceram Jesus como Senhor e salvador, já os animais de todos os cantos do mundo, prefiguram os gentios, pessoas de todos os cantos do mundo que igualmente tem Jesus como seu Senhor e salvador. No versículo 16 está escrito que o Senhor fechou a porta por fora, isto prefigura que nos últimos dias a porta da Graça será fechada por Deus quando todos os escolhidos de Deus, a igreja, forem arrebatados aos céus. No versículo 10 está escrito que após sete dias as águas do dilúvio caíram sobre a terra. Isto prefigura que após o arrebatamento da igreja a volta de Jesus se daria após sete anos, ao final da Grande Tribulação.

Há outras histórias na Bíblia que prefiguram algo no futuro?

Sim, muitas. Veja por exemplo a história dos primeiros reis de Israel, Saul simbolizava a Antiga Aliança, Já Davi prefigurava a igreja e Salomão prefigura a igreja com toda a sua glória no céu e o milênio de paz na terra.
Você poderia perguntar: De onde você tirou isto? Eu nunca vi ninguém dizer tal coisa.
Você acredita que toda a Bíblia é inspirada por Deus?
Caso responda que sim, então veja o que Deus diz no livro de Jeremias 33.3 “Invoca-me e eu te responderei e te anunciarei coisas grandes e inacessíveis, que tu não sabes. Já o salmos 119:25 está escrito:
“Sou teu servo; dá-me inteligência para entender os teus testemunhos.”
Viu? Aquele que de fato crê em Deus e conhece a Sua Palavra não perderá a oportunidade de fazer uso destes versículos.
Mas como você chegou à conclusão que estes reis prefiguram a igreja?
Na verdade faz poucos dias, vocês estáo entre as primeiras pessoas a quem revelei isso.  Há cerca de dez dias eu estava sentado no alpendre de minha casa lendo a Bíblia, quando vi algo que me chamou a atenção, está em 1 Samuel capítulo 9, no segundo versículo que diz:
Este tinha um filho, cujo nome era Saul, moço, e tão belo que entre os filhos de Israel não havia outro homem mais belo do que ele; desde os ombros para cima sobressaía a todo o povo.”
Achei interessante que Deus havia escolhido para ser o primeiro rei de Israel o mais belo e mais alto homem que havia na nação de Israel. Entretanto quando escolheu a Davi, em 1 Samuel 16.7, Deus disse a Samuel:
“Não atentes para a sua aparência, nem para a grandeza da sua estatura, porque o tenho rejeitado; porque o SENHOR não vê como vê o homem, pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o SENHOR olha para o coração.”
Das duas uma, ou Deus aprendeu com seu erro, pois na primeira vez levou em consideração a aparência de Saul e Samuel “conhecendo” a forma como Deus avalia o valor de um homem, achou que o escolhido de Deus era o mais belo e mais forte dentre os irmãos de Davi, Eliabe. Ou então esta história seria uma prefiguração de coisas futuras. Optei pela segunda opção, pois Deus não erra e busquei na história desses personagens evidências que sinalizavam para uma prefiguração e já que, no meu entender, a história de Saul era uma figura da Antiga Aliança e Davi prefigurava a Nova, quais seriam as evidências que apoiavam este entendimento? 
Por que Deus usou como critério de escolha do primeiro rei a aparência?
Porque na Antiga Aliança as manifestações de Deus eram explicitas, visíveis, não deixavam dúvidas a ninguém, Ele destruía cidades, falava com voz de trovão, matava os que lhe fossem infiéis e abençoava os que lhe obedeciam, até mesmo os inimigos de Israel acreditavam em Iahweh, pelo menos em sua existência, e o temiam. Porém agora, na Nova Aliança, as evidências da existência de Deus, são tão tênues que se abriu espaço para o surgimento dos ateus, agora o Senhor só evidência a Sua existência com aqueles que Ele escolheu para si, com aqueles cuja fé impede que Deus se mantenha imperceptível.
A segunda evidência na história de Saul e Davi que prefiguram fatos futuros está na relação harmônica que havia entre eles no princípio, posteriormente movido pela inveja devido a crescente popularidade de Davi e pelo medo que ele tomasse o seu lugar passou a perseguir a Davi objetivando matá-lo e apesar de dura e injustamente perseguido Davi nunca tentou o mal contra Saul, sempre oferecendo a outra face, chegando até mesmo a chorar pela morte de seu inimigo. Isto apontava para o futuro, quando os judeus e cristãos nos primórdios da igreja teriam uma relação harmônica, porém devido ao espantoso crescimento da igreja, os fariseus e sacerdotes temendo que os cristãos tomassem o lugar deles passaram a mover uma grande perseguição contra os cristãos, que mesmo ferozmente perseguidos nunca lutavam contra os seus perseguidores, ao contrário oravam por eles.
A terceira evidência está em quando Davi foi lutar com o gigante Golias, Saul ofereceu a ele a sua armadura e suas armas, Davi até que experimentou, mas viu que aquela armadura era pesada e mais atrapalhavam que ajudavam e a rejeitou. Isso apontava para quando os cristãos deixariam de ser obrigados a observar a Lei de Moisés, em Atos capítulo 15 mostra a divisão que estava ocorrendo na igreja, pois cristãos de origem judaica exigiam que os cristãos gentios também devessem se sujeitar a lei de Moisés, após deliberarem entre si os apóstolos decidiram que os gentios estavam desobrigados a observarem a Lei de Moisés, eles não mais seriam obrigados a usarem a armadura de Saul em suas batalhas espirituais.
A quarta e quinta evidências que apontam Davi como uma prefiguração da igreja está no episódio da morte do filho de Davi, fruto do adultério com Bete-Seba, viúva de Urias que Davi havia mandado matar. Pela lei de Moisés Davi deveria morrer apedrejado, e uma pena que não foi, pois o cara era ruim. Mas ao contrário de fazer justiça conforme a exigência da Lei que o próprio Senhor havia instituído, Ele fez que os pecados de Davi recaíssem sobre seu filho, foi ele que pagou pelos pecados de Davi. Isto aponta para a igreja, onde todo fiel tem os seus pecados perdoados, pois estes foram pagos pelo Filho de Deus, que morreu em nosso lugar, e em apoio a esta conclusão está no fato de a Bíblia declarar mais de uma vez que Davi era um homem segundo o coração de Deus. O que? Aquele adúltero e covarde homicida? Sim! Pois isto aponta mais uma vez para a igreja, pois agora que fomos cobertos pelo sangue de Jesus, quando Deus nos olha, não mais vê um pecador digno do inferno, mas sim o próprio Jesus, e assim todo o filho de Deus na Nova Aliança se torna um homem segundo o coração de Deus, pelo menos aos Seus olhos. Veja o que está escrito em Hebreus 8.12, e abrindo na página leu:
Porque serei misericordioso para com suas iniqüidades, E de seus pecados e de suas prevaricações não me lembrarei mais.”
A sexta evidência que apontam Davi como uma prefiguração da igreja está em seus últimos dias, que prefiguram a igreja também em seus últimos dias. No final do reinado de Davi seus filhos passaram a disputar quem seria o sucessor de seu pai. Isto prefigura as muitas divisões da igreja nos últimos dias de sua existência e cada uma afirmando ser ela a dona da verdade. Então que igreja Absalão prefigura? Para ajudar a descobrir isso vamos tentar desvendar parte de seu perfil e compará-lo com de algumas igrejas de hoje. Olha o que está escrito aqui em segundo a Samuel capítulo 14 no versículo 25:
“Não havia, porém, em todo o Israel homem tão belo e tão aprazível como Absalão; desde a planta do pé até à cabeça não havia nele defeito algum.”
Isso indica que ele tinha muitas semelhanças Saul, a sua principal virtude era a “aparência”, porém seu coração maligno. Isto prefigura as igrejas neopentecostais e seus lideres que são lobos em peles de cordeiros, são igrejas que possuem cultos com características judaizantes, cultos que são verdadeiros shows, cheios de aparência, porém seu conteúdo é pobre, vazio. E o livro de apocalipse no capitulo 3 chama este tipo de igreja pelo nome de Laudicéia. Já a igreja de Filadélfia que simboliza a igreja fiel foi prefigurada por Davi.
Quando se retirava de Jerusalém, humilde e de pés descalços, fugindo de seu filho Absalão, não retaliou as maldições de Simei que além amaldiçoar também jogava pedras contra o rei, e quando aquele que buscava destruí-lo morreu, Davi chorou amargamente pela sua morte. De forma semelhante de sua reação de quando foi perseguido por Saul Davi paga com demonstração de perdão e misericórdia para com seus inimigos, prefigurando assim qual deveria ser a atitude da igreja fiel quando injuriada por aqueles que lhe declarem guerra.
A sétima evidência está no reinado de Salomão que prefigura a igreja gloriosa no céu e o reino milenar de paz na terra. Tanto nos reinados de Saul como de Davi, houve constantes guerras com seus vizinhos, isto aponta para os constantes conflitos que existem ao nosso redor. “No mundo tereis aflições” disse Jesus. Já a riqueza, glória e a paz durante todo o reinado de Salomão, aponta glória infinita que nos aguardam no Reino dos Céus e para a paz infinda junto a Jesus. A sabedoria de Salomão prefigura que todo o salvo quando estiver no céu terá uma mente brilhante, com sabedoria e inteligência incomensuráveis. Teremos a mente de Cristo.

Rogério Lelis Rocha

Nenhum comentário:

Postar um comentário