SEJA BEM VINDO EM NOME DE JESUS.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

LIVROS APÓCRIFOS, MERECEM CONFIANÇA? (os livros a mais da Bíblia católica)


Você vai ser redirecionado para o novo site, em 20 segundos, “Difundindo a Palavra de Deus” na URL robertodedeus.com/

Este artigo está no link: http://robertodedeus.com/portal/?p=1509
ou procure no site pelo mesmo titulo.


PREÂMBULO
O termo apócrifo origina-se do grego apokryphos, (Mc 4.22), cujas variantes de seu significado podem ser: oculto; escondido; secreto ou misterioso. Esta expressão tem sido aplicada comumente, em matéria bíblico-teológica, a certos livros que, embora tenham sido classificados como “sagrados” por alguns cristãos da antiguidade, não são aceitos por muitos como canônicos, isto é, de redação divinamente inspirada. Esta palavra ocorre novamente em Colossenses 2.3, para designar o depósito divino e “oculto” da sabedoria que se acha em Deus. O termo foi empregado pela primeira vez para classificar uma relação de livros, na Stromata 13, capítulo 4; obra de Clemente de Alexandria (Titus Flávios Clemens), escritor, doutor e apologista da Igreja, mestre de Orígenes.

DEFINIÇÕES
Na antiguidade, também no âmbito da Igreja, a expressão apócrifo designava qualquer obra literária da qual não se conhecia o autor, ou ainda, aquelas que ao invés do nome próprio, registrasse apenas o pseudônimo. Em matéria literária religiosa, sempre que uma obra trazia sentido dúbio em seu contexto, questionava-se sua canonicidade, aplicando-lhe o termo e, neste caso, com conotação pejorativa.

Qual é o significado das palavras cânon e canônico?

Canôn
De origem semítica, na língua hebraica “qãneh” em Ez 40.3; e no grego: “kanón”, em Gl 6.16". Tem sido traduzido em nossas versões em português como “regra”, “norma”. Literalmente, significa vara ou instrumento de medir.
Canônico
Aquilo que está de acordo com o cânon. Em relação aos 66 livros da Bíblia hebraica e evangélica.

 O livro de Apocalipse, hoje constante do cânon neotestamentário, aos olhos de Gregório de Nissa (falecido em 395 d.C.) carecia de autenticidade e, portanto, fora exclusivamente tido por ele como obra apócrifa. Orígenes de Alexandria também classificava como tal as citações bíblicas cujas origens eram desconhecidas. Jerônimo, outro doutor da Igreja, tradutor da Vulgata Latina, questionou a legitimidade do texto de Efésios 5.14, afirmando ter sido obra de um profeta desconhecido e, portanto, de origem apócrifa. Epifânio, por sua vez, entendia dever referir-se o termo aos livros aos quais não se guardava espaço na Arca da Aliança, posto serem acondicionados em outro ambiente.
Mais tarde, a palavra apócrifo alcançou maior abrangência, passando também a definir a literatura espúria e herética, muito embora no século V, continuasse a ser freqüentemente empregada para definir obras religiosas não canônicas, e não exatamente aquelas tidas por heréticas. O uso original, que se referia à ausência de canonicidade, é o que predomina até hoje. Neste âmbito, Geisler, em sua Enciclopédia de Apologética, apresenta a seguinte divergência de posicionamento quanto aa cânon das Escrituras entre as correntes doutrinárias católica e protestante:

Posição católica sobre o cânon
Posição protestante sobre o cânon
A igreja determina o cânon
A igreja descobre o cânon
A igreja é mãe do cânon
A igreja é filha do cânon
A igreja é magistrada do cânon
A igreja é ministra do cânon
A igreja regula o cânon
A igreja reconhece o cânon
A igreja é juíza do cânon
A igreja é testemunha do cânon
A igreja é mestra do cânon
A igreja é serva do cânon

O Texto é grande, são 12 paginas, caso queira o texto completo, solicite pelo e-mail  robwagbh@hotmail.com

OBS.: O livro de Tobias (livro apócrifo) que permite e ensina como fazer feitiçaria, está em outra mensagem no blog.


Bibliografia do texto, "livros apócrifos" acima.

A Bíblia de Jerusalém. São Paulo: Edições Paulinas, 1973.
BARREIRA, JúlioTrebolle. A Bíblia judaica e a Bíblia cristã. Introdução à história da Bíblia. Tradução Pe. Ramiro Mincato, Petrópolis: Vozes,1995.
BAXTER, J. Sidlow. Examinai as Escrituras. Tradução Neyd Siqueira, vol. 1, São Paulo: Ed. Vida Nova, 1992.
BENWARE, Paul N. Panorama del Antigo Testamento. Michigan: Editorial Portavoz, 1994.
BROWN, Raymond E., dir. Comentário bíblico San Jeronimo. Tradução Alfonso de La Fuente, Jesus Valiente e Juan Jose Del Moral. Madrid: Ediciones Cristiandad, 1971, vol. V.
CONFORT, Philips Wesley – editor. The Origin of the Bible Illinois, Tyndade House Publishers, 1992.
ELLIS, Peter F. Os homens e a mensagem do Antigo Testamento. Tradução Flávio C. de Castro, São Paulo: Editora Santuário, 1991.
FEUILLET,A., dir. Introdução à Bíblia. São Paulo: Ed. Herder, 1967, Tomo I.
FRANCISCO, Clyde T. Introdução ao Velho Testamento. Tradução de Antônio Neves de Mesquita, 5. ed., Rio de Janeiro: JUERP, 1995.
KONINGS, Johan. A Bíblia nas suas origens hoje. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1998.
LASOR, Willian S., HUBBARD, David A. BUSH, Fredeic W. Introdução ao Antigo Testamento. Tradução Lucy Yamakami. São Paulo: Edições Vida Nova, 1999.
NATAL, Milagro. Curso de iniciación al Antigo Testamento y al Nuevo Testamento. Espanha: Editora Verbo Divino, 1993.
PRICE, Ira Maurice. Compendio de la história del Antiguo Testamento. Tradução Elise V. Lee. Barcellona: Editorial Clil, 1991.
RENDTORFF, Rolf. A formação do Antigo Testamento. Tradução Bertholdo Weber, 4 ed., São Leopoldo: Sinodal, 1989.
SCHMIDT, Werner H. Introdução ao Antigo Testamento. Tradução Annemarie Höhn, São Leopoldo: Editora Sinodal / IEPG, 1994.
SILVA, José Apolônio. Sintetizando a Bíblia. Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembléias de Deus, 1984.
GRUDEM, Wayne. Teologia Sistemática. São Paulo: Edições Vida Nova, 1ª ed., 1999.   


Nenhum comentário:

Postar um comentário