SEJA BEM VINDO EM NOME DE JESUS.

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Reverendo cita cinco pontos que o papa precisa mudar na Igreja Católica.

O texto foi escrito diante do desejo de proclamar a Palavra de Deus expressado pelo líder católico.

Em uma ministração realizada na Igreja Presbiteriana de Santo Amaro neste último domingo (28), o reverendo Solano Portela comentou sobre as mudanças que o Papa Francisco tem feito na Igreja Católica e questionou se o novo líder estará disposto fazer todas as reformulações que a igreja está precisando.

O pastor presbiteriano listou cinco pontos que o Papa deveria mudar, a começar pela rejeição dos livros apócrifos. Ele lembra que o Antigo Testamento é formado apenas pelo Pentateuco, livros históricos e proféticos e livros poéticos somando 39 livros.

“Evangélicos e católicos concordam quanto aos 27 livros do Novo Testamento, mas essas adições à Palavra são responsáveis pela introdução de diversas doutrinas estranhas, que nunca foram ensinadas ou abraçadas por Jesus e pelos apóstolos”, escreveu Portela.

Outro ponto que, na visão do pastor, o papa deveria considerar é rejeitar os mediadores. “Não acatar a mediação de Maria, e muito menos a designação dela como co-redentora, lembrando que o ensino da Palavra é o de que ‘há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem’”.

Em seguida Francisco precisaria rejeitar as imagens e acabar com a veneração a santos. Solano Portela lembra que a Bíblia condena a prática, portanto, se a Igreja Católica pretende proclamar a Palavra, ela terá que abandonar tal prática.

A doutrina do purgatório seria outro ensinamento católico que precisa ser refutado. Ela “não tem base bíblica e surgiu exatamente dos livros conhecidos como apócrifos”, disse o reverendo presbiteriano.

“Jesus e a Bíblia ensinam que existem apenas dois destinos que esperam as pessoas, após a morte: Estar na glória com o Criador – salvos pela graça infinita de Deus (Lucas 23.43 – ‘Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso’ – e Atos 15.11 – ‘fomos salvos pela graça do Senhor Jesus’), ou na morte eterna (Mateus 23.33 – ‘Serpentes, raça de víboras! Como escapareis da condenação do inferno?’), como consequência dos nossos próprios pecados.”


Por último, Jorge Bergoglio precisaria rejeitar as rezas e ensinar os fiéis a se dirigirem ao Pai como Jesus Cristo ensinou. O pastor acredita que a ‘ficha’ ainda não caiu para a Igreja Católica quando o assunto é falar com Deus. Para ele as rezas, rosários, novenas e etc. são mantras religiosos, repetições que o próprio Cristo fez declarações contrárias.

Fonte: Gospel Prime

Nenhum comentário:

Postar um comentário