SEJA BEM VINDO EM NOME DE JESUS.

sexta-feira, 26 de julho de 2013

ORAÇÃO MODELO.

Muitas orações são feitas, mas nem todas são boas e eficazes.

Jesus ensinou aos discípulos uma oração que serviria como exemplo e não como reza (Mt 6.9-13). Disse o Mestre: “Portanto, vós orareis assim…” Ele estava certo de que os discípulos fariam orações. Havia uma expectativa em sua fala. Com isso entendemos que a oração é importante e necessária como ato que demonstra nossa dependência de Deus. Se o próprio Jesus orava, quanto mais nós devemos fazê-lo. A oração modelo foi uma aula para os discípulos. Nela aprendemos diversos princípios que devem orientar nosso modo de orar e, sobretudo, de viver.


Ao dizer “VÓS ORAREIS ASSIM”, Jesus ensinou uma oração que ele mesmo não faria na íntegra, pois nunca precisaria pedir perdão por suas próprias ofensas. Ao dizer, “vós orareis assim”, Jesus estava estabelecendo um contraste entre a oração dos discípulos e a oração dos fariseus mencionada desde o início daquele capítulo. A prece dos religiosos estava focalizada na forma e na circunstância, enquanto a que o Mestre ensinou se destaca pelo conteúdo. A primeira palavra da oração invoca Deus como “Pai”. Está implícito o vínculo entre aquele que ora e o Senhor. Antes da oração, deve existir um relacionamento, um compromisso.

Ao dizer, “PAI NOSSO QUE ESTÁS NOS CÉUS…”, Jesus estabeleceu a direção da nossa oração: ao Pai celestial. Não devemos orar a nenhum outro deus, santo, guia, espírito ou ídolo. Ele não disse: “Vós orareis à minha mãe, que falará comigo e então eu levarei vossos pedidos a Deus”. Não! Ele deixou claro que temos acesso direto ao Pai por intermédio do caminho aberto pelo Filho. Se alguém deseja falar com um rei ou presidente, poderá encontrar tantos seguranças e assessores no caminho, que talvez nem consiga chegar perante a autoridade. Entretanto, um filho do rei entra na sala do trono, sem impedimento algum. Assim nós, filhos de Deus, podemos falar diretamente com Ele, sem intermediários. Quando dizemos “Pai nosso”, estamos certos de que seremos recebidos com amor em sua presença. “Pai nosso que estás nos céus…” – Embora saibamos que Deus está em todos os lugares, é importante sabermos que ele está acima de nós. A frase elimina os ídolos, porque deixa claro que Deus não está pregado na parede, nem no oratório, andor ou pedestal. Ele não é uma imagem, desenho ou escultura. A oração cita o céu e a terra (Mt 6.9,10), porque ela é um instrumento de comunicação entre ambas as dimensões. “Pai nosso…” – Esta é uma oração plural. Ela poderia ser assim: “Meu pai, venha a mim o teu Reino, dá-me o pão, perdoa as minhas dívidas” etc, mas não foi isso que Jesus ensinou. Ele não queria estimular uma religião individualista e egoísta. Jesus disse “vós orareis assim” e colocou os pronomes no plural porque queria que os discípulos orassem juntos, embora isso não elimine as orações particulares. Deus deseja que vivamos em comunhão, inclusive no culto que prestamos a Ele. A oração modelo traz em seu âmago a ideia de igreja e um conceito de comunhão vertical e horizontal, com Deus e com os irmãos.

“SANTIFICADO SEJA O TEU NOME”. Esta é uma frase de louvor com muita reverência. Em nossas orações, devemos também louvar ao Senhor e não simplesmente trazermos uma lista de pedidos.

“ VENHA A NÓS O TEU REINO, SEJA FEITA A TUA VONTADE, ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU”. O Reino de Deus era o assunto preferido de Jesus, e não foi diferente na oração modelo (Mt 6.10,13). Naquelas poucas frases, o Reino foi citado duas vezes. O cristão deve viver em função do Reino, e isto significa fazer a vontade de Deus. Nossas orações não podem ser humanistas, voltadas para o Reino do homem, colocando nossa própria vontade como prioridade. O elemento “reino” nos lembra que Deus, além de ser o “Pai nosso” é também o “nosso Rei”. A figura do pai nos lembra amor, carinho, proteção, acolhimento, provisão etc. A figura do rei nos lembra aquele que governa, que manda. Nossa concepção da divindade deve englobar ambos os aspectos, além de outros que compõem o caráter divino. Quando orarmos, devemos ter a vontade de Deus como foco. Quantas pessoas estão lutando com Deus em oração para que a vontade humana seja feita. Embora possamos expressar nossa vontade, pode chegar um momento em que vamos dizer esta frase de rendição: “Seja feita a tua vontade”. Foi assim que Jesus orou no Getsêmani. “Seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu”. Jesus veio conscientizar as pessoas sobre a realidade do céu, mas Ele não nos
ensinou a negligenciar as responsabilidades terrenas. Só não podemos permitir que estas nos afastem dos propósitos celestiais. Somos seres espirituais, mas temos um corpo físico que vive nesta terra. Portanto, o cristão não pode ser alienado em nome da espiritualidade.

“O PÃO NOSSO DE CADA DIA NOS DÁ HOJE”. A oração de Jesus tem ênfase no que é espiritual, mas essa frase refere-se ao alimento material. O pedido é caracterizado pela simplicidade. Talvez colocaríamos nesse ponto a lista completa do supermercado para o mês, mas Jesus mencionou apenas o pão para hoje. Não temos nessa oração nenhuma ansiedade pelo dia de amanhã. Ao dizer, “nos dá hoje”, ficou subentendido que, no dia seguinte, nova oração seria feita. Jesus ensinou um tipo de oração diária e não esporádica ou eventual.

“PERDOA AS NOSSAS DÍ VIDAS, ASSIM COMO NÓS PERDOAMOS OS NOSSOS DEVEDORES”. Jesus lembrou aqui o problema do pecado. A oração é pequena e toca apenas em questões essenciais. O pecado é uma delas. O pedido de perdão deve constar das nossas orações juntamente com o reconhecimento de nossas falhas. A frase retoma o tema da comunhão, lembrando que não podemos estar bem com Deus se negamos o perdão ao nosso semelhante.

“NÃO NOS DEIXES CAIR EM TENTAÇÃO, M AS LIVRA-NOS DO MAL”. Neste ponto, o inimigo é lembrado, embora não lhe tenha sido dada a honra de ter o nome citado. A nossa fraqueza também está implícita na frase. Estamos no meio de uma guerra espiritual contra o mal. Está clara a nossa dependência de Deus, mas não estamos dispensados da vigilância.

“PORQUE TEU É O REINO, O PODER E A GLÓRIA PARA SEMPRE . AMÉM”. Aqui, o plural é deixado de lado. Não está escrito “Porque nosso é o reino, o poder e a glória”. Tudo isso pertence ao Senhor. O Cristianismo não deve ser colocado a serviço do reino humano, como se Deus fosse servo e nós fôssemos senhores. O poder pertence ao Senhor, ainda que possa estar em nossas mãos por alguns instantes. “Teu é o poder”. Se o poder pertence ao Senhor, não podemos pensar que somos donos do poder, seja natural ou espiritual. Precisamos estar sempre ligados em Deus, como um aparelho que depende de uma fonte de energia para funcionar. Não podemos exercer um ministério se não estivermos buscando sempre ao Senhor, pois dele vem o poder e a capacidade de que necessitamos. “Teu é o reino, o poder e a glória para sempre”. Não podemos usurpar a glória de Deus nem esperar que os homens nos glorifiquem. Se não formos reconhecidos pelo que fazemos no Reino de Deus, está ótimo, pois a glória pertence somente ao Senhor.
Nesse ponto da oração, Jesus nos ensina a humildade.

Pr. Anísio Renato de Andrade

Fonte: Lagoinha.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário