SEJA BEM VINDO EM NOME DE JESUS.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

MINISTRAÇÃO EM JUAZEIRO.

 “A causa é maior”
Confira um relato a respeito de uma experiência de compromisso com Deus mesmo em meio às lutas

Estar em Juazeiro do Norte para entronizarmos Jesus sempre seria um motivo de alegria. Mas, desta vez, a nossa ministração tinha um gosto de conquista ainda maior para toda a Igreja do Senhor Jesus. Fomos convidados pela prefeitura da cidade para encerrarmos três dias de celebração do centenário da cidade. Na verdade, seria o primeiro dia do novo centenário, e isso significava muito em meu coração. O cenário do interior nordestino, uma cidade de 250 mil habitantes, com apenas 10 mil evangélicos, e de uma historia bastante resistente a nossa mensagem, fazia deste convite algo muito especial. Confesso que, enquanto me preparava para a viagem, passei mal e senti medo. Ajoelhei-me aos pés da cama e pedi meu esposo para orar por mim. Meu pai também orou pela minha ida, e fui fortalecida, especialmente, quando ouvindo o Senhor em meu coração: “Tenho um povo nessa cidade. Vá e encoraje-o”!

Ate hoje a igreja evangélica ali sofre, na pele, algumas perseguições. Outro dia mesmo uma equipe de evangelistas apanhou, em um culto ao ar livre que tentaram fazer em uma cidadezinha próxima a Juazeiro. São historias e mais historias assim, e nossa própria impressão ao orarmos por aquela viagem nos dava a certeza de que esta seria uma ministração especial em nossa trajetória ate aqui.

Antes mesmo de viajarmos também experimentamos um pouquinho desta rejeição. A prefeitura, que estava patrocinando todos os eventos do centenário, não depositou o dinheiro de nossas passagens. Um irmão em Cristo pagou, mas esperamos que ele seja ressarcido. O hotel estava na conta da prefeitura. Mas ali, enquanto a outra banda, do outro dia de show, estava com toda sua equipe hospedada na melhor ala, nos ficamos em quartos sem água quente, alguns com apenas um cano e não tinha chuveiro, outro sem janela, apenas um buraco na parede.
Estas coisas são pequenas e não desmotivaram nossa equipe. Pelo contrario, nos animamos muito em poder relembrar que estávamos ali por uma causa e missão muito maior que nosso conforto. Como lembrou nossa equipe, o que o pastor João Osmar sempre ensina no Centro de Treinamento Ministerial Diante do Trono: “A causa será
sempre maior e as dificuldades serão sempre menores”!

Fomos buscados no aeroporto e transportados do hotel para o local do evento, por irmãos da igreja que nos serviram com muito amor. Algumas vezes, nossos técnicos tiveram que ir e voltar do hotel para o local do evento a pé, pois nenhum transporte foi provido para nos. Outra vez quero elogiar minha turma, tão disposta! Estávamos muito felizes, junto aos irmãos, pois já era um grande avanço ministrar naquele Parque da Cidade, em um evento aberto, de entrada franca, como nunca havia acontecido antes em 100 anos de historia!

Ao chegar ali, mais desafios. Na noite anterior, do show da outra banda, deixaram os camarins imundos e nos mesmos tivemos que limpar. Irmãos das igrejas e minha equipe faxinou o local, que tinha ate fezes humanas
na entrada do camarim. Parecia um recado bem claro de que não éramos bem-vindos. Nem sequer uma cadeira deixaram ali para nos. Tiraram tudo. As cortinas do palco foram rasgadas. Vários detalhes da produção do evento, que tinham sido acordados, e que estavam presentes no show anterior, não foram cumpridos conosco. Por prudência nos levamos vários equipamentos desde Belo Horizonte, sem os quais teríamos que “juntar” o que as igrejas tinham para tentar tocar.

Havia um palco paralelo, onde outras bandas também se apresentaram, e naquela noite, um sanfoneiro convertido a
Cristo, muito conhecido na região, o Felipão, estava preparado para tocar com sua equipe. A cena era muito triste. Aquele palco estava ainda pior que o nosso, de tanta imundície, e sem nenhum equipamento. Combinamos que eles tocariam depois de nos, no mesmo palco, e somamos forcas, pois ele nos ajudou colocando uma cortina de luzes de LED que ajudou a tornar o palco mais bonito.

Na cidade algumas ações contra nos aconteciam no meio do povo. Um padre autorizou um abaixo assinado contra
nossa visita. Uma TV local divulgou que não éramos bem vindos. O “tiro saiu pela culatra”. Muita gente ficou chateada com essa atitude e mesmo não sendo evangélicos muitos decidiram ir ao evento. Fomos chamados pela TV Globo para participarmos do jornal do meio dia. Temos a impressão de que esta foi uma ordem do Rio, pois a Som Livre, nossa distribuidora, que faz parte do grupo Globo, divulgou nossa vinda, e um dos compromissos
deles conosco e tratar-nos com o mesmo respeito como qualquer artista e tratado.

Fomos muito bem recebidos na emissora, mas a primeira pergunta que me fizeram, ainda nos bastidores, foi exatamente: “Como vocês se sentem sendo evangélicos, numa cidade tão católica”? A entrevista nesta grande emissora foi uma oportunidade de falar para a cidade que estávamos ali com uma mensagem de paz, do amor de Cristo, que também somos cristãos e queríamos abençoar Juazeiro, como temos feito por onde passamos. Confesso que o clima era tenso, e que ao final agradeci a Deus por outra vez ter cumprido a promessa de que me daria a Palavra ao abrir de minha boca, pelo Espírito Santo.

Diante de tantas adversidades não esperávamos muita gente. A intensidade de nossos louvores não dependeria disso, pois sabemos do poder de nossa adoração, mesmo quando ninguém, alem dos céus, nos escuta. Alias, em reunião com alguns pastores da cidade, quando orávamos na noite anterior ao culto, eles leram a Palavra de 2 Crônicas 20, quando Josafa e os israelitas louvavam a frente do exercito e Deus pelejou por eles. Eu tinha recebido
esta mesma Palavra em Natal, há exatamente uma semana, na sexta-feira antes de nossa gravação. Nos regozijamos no Senhor, e profetizei que, assim como por três dias o povo de Israel recolheu os despojos, assim começavam três tempos de Deus, de conquista e tomada do despojo naquela cidade. Debaixo desta Palavra reafirmamos nossa compreensão do poder do louvor nos ares da cidade, ainda que não houvesse muita gente no evento.

Para nossa surpresa a Policia confirmou que 40 mil pessoas estavam ali! Os pastores, unidos, oraram. Um grupo de dança reunido de algumas igrejas, dançou a musica “Brasil” do Diante do Trono, e foi muito emocionante ver aquele clamor de 2 Crônicas 7.14 subir aos céus naquele lugar. O prefeito, apesar de muitas pressões contrarias, nos honrou e foi ao evento. Ali, ele fez uma oração que os pastores escreveram em um papel para que ele, como autoridade na cidade, pedisse perdão a Deus pelos pecados e entregasse Juazeiro ao Senhor Jesus. Foi muito importante este momento.

Quando começamos a ministrar, a direção que tinha vindo ao meu coração enquanto orava foi confirmada. Deveríamos adorar e exaltar o nome do Senhor Jesus, declarando que não ha outro que se compare a Ele. Cantamos varias canções com esta mensagem. “Não ha outro igual a Ti” foi a frase mais marcante. Só o Senhor e santo. Só o Senhor e digno. Para mim, a experiência também era nova, pois devido a pos-produção do nosso recém gravado “Sol da Justiça”, nossos cantores estavam em estúdio e não puderam viajar. Eu estava cantando sozinha, e sentia
o fluir de uma preciosa unção que me capacitava. Eu sentia a adoração subir não apenas no palco, mas em todo aquele lugar. Então, cantamos “Deus de amor”, pois esta canção veio a mim meditando em como nosso Deus e maravilhoso, e nossa vida com Ele só fica mais bonita. Ao contrario, outros deuses sujeitam seus servos a coisas tão sujas e feias. Nosso Deus é lindo!

Logo me veio a visão de um tecido fino, vermelho, mas ao mesmo tempo transparente, que descia sobre aquela multidão. A ordem de musicas que eu tinha planejado foi alterada e cantamos mais sobre o amor de Deus. Aquele manto era do Seu amor que nos cobria. Então, de repente me veio a direção de cantarmos ao Pai. Foi uma estratégia tão forte, que esta musica parecia explodir aquele lugar, tamanha a garra com que as pessoas cantavam: “Pai, meu Pai, meu Papai, Aba Pai”! E assim, prosseguimos cantando outras canções, como Preciso de Ti e Águas Purificadoras, debaixo de uma unção e presença gloriosa do Espírito Santo. Li alguns textos Bíblicos, como Isaias 12, numa promessa para Juazeiro e todo o Vale do Cariri. “Vós, com alegria, tirareis água das fontes da salvação”! (V. 3.)

“Nem em São Paulo, nem no Rio de Janeiro, nem em Brasília, nem em Belo Horizonte, se viu nem se ouviu de algo semelhante ao que Deus está para fazer no Nordeste”

Em meio a esses louvores recebi algumas palavras em meu espírito e as entreguei. Depois ouvi vários testemunhos de confirmação, como a de um irmão empresário que estava com o desejo em seu coração de começar a produzir tijolos e material pré-fabricado para a construção de novas igrejas. Ele pedia a Deus uma confirmação, e eu, sem saber, falei sobre isso! Eu vi um liberar de Deus para novos ministérios, e algo como uma rede se formou, especialmente ao lado esquerdo do palco. Era como se cada elo da rede fosse pessoas unidas a pessoas, e uma grande rede se formava. Estratégias novas, criatividade e recursos do céu virão para essas novas ações do Reino. Vi um exercito de jovens se levantar. Vi tijolos descendo do céu e muitas, se não todas, igrejas daquela região construirão novos templos. Mas os pastores devem estar atentos, pois não caberão nessas novas construções as multidões que serão salvas. Haverá muitos, muitos eventos nesta cidade, e percebi que Deus esta redimindo o dom de Juazeiro do Norte de ser um pólo atrativo para toda a região. E o despojo dos inimigos sendo entregue nas mãos dos adoradores de Cristo! Juazeiro prosperara muito, e fornecera não apenas pão da terra e água de beber, mas alimentara com o verdadeiro Pão que desceu do céu, Jesus!

Multidões continuarão vindo a Juazeiro. Eu senti que eu mesma, e o Diante do Trono, voltaríamos muitas vezes ali para celebrar Jesus. O que vai acontecer no Nordeste e algo novo, e o Senhor repetia: “E algo novo!”. Nem em São Paulo, nem no Rio de Janeiro, nem em Brasília, nem em Belo Horizonte, se viu nem se ouviu de algo semelhante ao que Deus esta para fazer no Nordeste. Então ouvi muito forte e profundo em meu coração: “O Nordeste e a “menina dos olhos” do Senhor.” Veio uma pausa e ouvi: “O Nordeste e Noiva apaixonada”! Foi uma revelação
maravilhosa!

Terminamos o evento com muita emoção e eu só parei de cantar porque já eram 10 horas da noite e nossos outros
irmãos esperavam para ministrar depois de nos. Foram duas horas de adoração intensa, em que minhas forcas, minha voz, meu coração, e toda a equipe, estavam debaixo de poderosa unção do Espírito Santo. Eu poderia
continuar compartilhando aqui mais palavras e ações de Deus entre nos. Mas termino contando que na manha
seguinte tive um encontro com um homem muito especial. O pastor Jonathan, um herói da Igreja Brasileira, fundador da primeira missão brasileira, a Antioquia, e líder do Vale da Benção, em São Paulo. Aos 76 anos de
idade recebeu de Deus uma visão para alcançar o Sertão Nordestino! Ele tem passado 40% de seus dias em Juazeiro, servindo toda aquela região. Através dele os pastores ali estão mais unidos. A Igreja unida fez 100 dias ininterruptos de oração e realizou o movimento “Visitação de Deus”, em que 10 mil casas foram visitadas. O pastor Jonathan entende que e o tempo de despertar a Igreja Brasileira para enxergar o Sertão Nordestino como um campo missionário dentro de nosso próprio pais.

Recebi dele esta visão e quero me dispor para a continuidade do que Deus fará ali. Em marco do próximo ano haverá um Encontro em Juazeiro do Norte com 1000 pastores de todo o Brasil. Você que lê, incentive seus lideres a participarem. Ouviremos apenas pastores e missionários nordestinos, sobre os desafios e as possibilidades do Sertão. São 16 milhões de pessoas na zona rural e 62 milhões ao todo no Sertão, sem contar o litoral. A media e de 1,5% de crentes, e ha muitas cidades e povoados sem sequer um testemunho do evangelho. O alvo e abrirmos 10 mil igrejas em 10 anos. De 2012 ate 2022 mudarmos a historia do interior do Nordeste.

E possível? Claro que sim! A Seara esta pronta, mas os trabalhadores ainda são poucos. Oremos ao Senhor da Seara para que envie obreiros para esta grande colheita! E vamos reescrevendo a historia, pois cremos que feliz e a nação cujo Deus e o Senhor.

ANA PAULA VALADÃO BESSA (IBL)

http://www.lagoinha.com/portal/images/pdf/ano45-edicao_31_31_07_2011.pdf

Nenhum comentário:

Postar um comentário